GitHub para iniciantes

Aprenda a utilizar e configurar o GitHub facilmente com um guia detalhado.

GitHub para iniciantes

O jeito fácil de começar com o GitHub

Todos desenvolvedores já precisaram organizar o seu código fonte. É uma parte importante do processo de desenvolvimento e sem a organização, imagine a loucura no momento de corrigir um bug ou a simples análise de alterações? Sem uma política de versionamento clara, muito trabalho pode ter sido jogado fora e horas desenvolvimento desperdiçadas.
Não é algo que todos gostam de fazer, mas documentação e controle de versões é indispensável para um bom projeto, ainda mais quando lidamos com ambientes de colaboração, equipes distintas ou localização. Nesses cenários, um simples projeto pode se tornar uma verdadeira tragédia grega e acabar em desastre. Organização é fundamental.
Se os mais conservadores ainda utilizam meios “próprios”, atualmente existem ferramentas focadas na árdua tarefa de facilitar a nossa vida. A principal ferramenta, é o git, desenvolvido pelo criador do kernel Linux, Linus Torvalds. A ferramenta é de uso simplificado e adotada amplamente, inclusive no desenvolvimento do Sistema Operacional Windows 10.

Git não é apenas o GitHub

Bom, acredito que muitos sabem que o [GitHub]() não é a única opção de repositório, mas é a mais conhecida e difundida. Muitos projetos Open Source são hospedados e versionados na plataforma. No caso de projetos de código aberto, o serviço funciona de forma gratuita, permitindo a adição de funções expecíficas na modalidade paga. Para a maioria dos usuários, a versão gratuita é mais do que suficiente.
O GitHub utiliza o Git para manipulação dos repositórios e controle de versões. Mas esse uso não é exclusividade do GitHub e o Git independe da plataforma, sendo utilizado inclusive, para os mais aventureiros, de forma local e offline ou com qualquer outro meio desejado. Sendo assim, aprendendo o uso básico do GitHub vai funcionar como uma introdução ao Git de um modo geral.

Começando

A primeira coisa a se fazer, é obviamente criar um usuario no GitHub acessando [este link](). Após isso, estamos aptos para se aventurar na infinidade de projetos de código, documentação, localização e o que mais a criatividade permitir. Como exemplo, utilizando um ambiente GNU/Linux, vamos instalar o Git no Fedora 26 e clonar um repositório com formatos editaveis de arquivos do GIMP.

Instalando
sudo dnf install git

Clonando nosso primeiro projeto
git clone "https://github.com/tchelinuxorg/recursos-grafico.git

Depois disso, temos a pasta recursos-graficos com todos os arquivos e códigos presentes no repositório.

"Arquivos clonados do repositório "master""

Configurando nosso git

Agora que já temos os arquivos locais, já podemos editar e quem sabe submeter nosso primeiro commit, certo? Sim, mas antes precisamos configurar alguns detalhes.
O primeiro é nosso .gitconfig, que deve conter pelo menos o usuário e e-mail da nossa conta. Para adicionar essas informações basta digitar o seguinte:

O usuário do GitHub:
git config --global user.name SEU USUÁRIO AQUI

O e-mail cadastrado: git config --global user.email SEU E-MAIL AQUI

Essas alterações ficam gravadas no diretório /home/SEUUSUARIO/.gitconfig e podem ser visualizadas com o comando:
cat ~/.gitconfig.

Criando um fork do projeto

Bom, já sabemos como clonar, mas e como submeter as alterações realizadas?
Quando se trata de projetos abertos, existem pelo menos duas opções de submissão de alterações. A mais simples é através de forks e a outra é fazendo parte da equipe do repositório. Nesse primeiro artigo, vamos ver como criar um fork utilizando a interface do site GitHub:

 "Realizando um fork no GitHub"

Quando criamos um fork, estamos copiando o estado de desenvolvimento de um projeto em um repositório novo, sob nosso usuário. E com o fork pronto, precisamos realizar o clone novamente, agora em uma nova pasta: git clone "https://github.com/seuusuario/recursos-graficos.git

Agora temos total liberdade de alterações do projeto em nosso repositório. Sabendo disso, vamos para o próximo passo e realizar nosso primeiro commit.

Nosso primeiro commit

Digamos que realizamos alguma alteração no arquivo README.md, ou adicionamos um novo arquivo. Para informar o Git a nossa alteração, precisamos digitar o comando add da seguite forma:
git add -A

Uma vez completo, precisamos realizar o commit, informando nossas alterações, da seguinte forma:
git commit -m "Alteração do arquivo README.md e adição de novo arquivo"

Para finalizar e enviar os arquivos para o servidor, basta finalizar com o seguinte comando:
git push

Será solicitado seu usuário e senha do GitHub.

O pull request

Agora que corrigimos o arquivo README.md, desejamos informar ao desenvolvedor esta correção. Para tal, utilizamos o recurso chamado de “Pull Request”. Isso quer dizer que solicitamos ao administrador do repositório uma alteração de um arquivo do projeto inicial, cabendo à ele aceitar ou não nossa submissão.
Para realizar nosso pull request, vamos utilizar novamente a interface web do GitHub:

"Realizando um "pull request" no GitHub"

Conclusões finais

Esse é só o começo e muitas outras opções estão disponiveis para a utilização do GitHub. No próximo artigo vamos abordar o conceito de branch.

Por hoje é isso, não deixe de acompanhar o nosso canal no YouTube. ;)

Compartilhe nas suas redes sociais

Regis

Regis Tomkiel

Sócio Fundador da Dose Extra Multimídia, produtor audiovisual, desenvolvedor web, podcaster, escritor e quando sobra tempo, coleciona videogames e filmes independentes.

Mais publicações do autor…
Você pode gostar: