Taxi Driver - Isolamento e Alienação

Travis tinha um plano para o seu fim, talvez considerasse essa uma única e última contribuição para a cidade, dentro de sua própria alienação e miséria humana.

Taxi Driver - Isolamento e Alienação

Enquanto Paul Schrader escrevia o roteiro de Taxi Driver, passava por um momento complicado de sua vida. O casamento acabando, a perda de seu emprego e a constante falta de dinheiro. Para conseguir dormir ele precisava frequentar um cinema focado em produções pornográficas de Los Angeles, que ficava aberto durante a noite inteira. Em plenos 27 anos de vida ele se encontrou em um antro de bebida, pensamentos mórbidos e pornografia. Foi em um hospital, internado com uma úlcera sangrando – e se dando conta de que não falava com ninguém fazia um mês –, que Schrader criou esse personagem que era nada mais do que um reflexo de suas próprias condições mentais. Taxi Driver foi uma salvação para o roteirista, pois escrevê-lo foi uma maneira que achou de não tornar-se igual ao seu personagem.

O texto apresenta reflexões do autor sobre a trama. Spoilers liberados.

Travis Bickle diz ser um veterano da guerra do Vietnã recém-chegado na cidade de Nova York. Como não consegue dormir propriamente, devido a sua insônia, arranja um trabalho como taxista durante as madrugadas. De dentro do carro ele presencia uma cidade suja e sem segurança, com prostituição e crimes em todas as esquinas, fantasiando com a ideia “de uma chuva que pudesse lavar as ruas da escória”.

No início presenciamos um personagem peculiar, que prefere não se comunicar com outras pessoas e passa a maior parte do tempo observando e fazendo julgamentos. Então surge a sua primeira obsessão: Betsy,  uma bela mulher que trabalha na campanha presidencial de Charles Palantine. Após uma aproximação bizarra, ela aceita sair com o taxista.

Enquanto em um ambiente onde ele não tem a sua obsessão presente, por vezes gera comentários evasivos e devaneios no meio de conversas. Quando com o objeto de sua fixação, ele se torna seguro e convicto, mas não menos esquisito.

Depois de ter uma reação hostil da moça, ao levá-la para um cinema pornô, ele novamente se fecha para o mundo. Agora que a mulher o largou, ela também é parte da escória. Alienado na solidão ele se prepara para a força bruta, comprando armas de fogo e preparando o físico para tentar ser uma espécie de vigilante – ou pelo menos isso é o que ele acredita. A sua obsessão evolui e agora começa a seguir Isis, uma prostituta de doze anos de idade. Mas suas intenções não são sexuais, pois ele claramente sente culpa ao considerar a idade da menina. Ele quer ajudá-la a sair daquela vida, mas a tentativa é em vão, pois a garota se encontra em um estado de conformismo deprimente.

Travis tinha um plano para o seu fim, talvez considerasse essa uma única e última contribuição para a cidade, dentro de sua própria alienação e miséria humana. Ele envia as suas economias para a pequena garota de programa e vai a uma missão suicida para matar Palantine. Mas ele acaba falhando e precisa fugir. A sua sede por justiça distorcida não foi saciada, então a direciona para outro ponto. Ele decide ir direto a busca de Isis, matando qualquer corja que aparecesse na sua frente. Após trocar tiros e ser gravemente ferido – deixando duvidosa a informação de que ele era um soldado –, o maníaco desiste da vida e dispara o revólver de um homem morto contra a própria cabeça. Mas o tambor estava vazio. Ele pega uma de suas armas e repete o movimento. Sem balas também.

Senta-se no sofá e ali fica, enquanto a garota entra em desespero ali perto.

O motorista de táxi acorda de um coma e descobre que é um herói. Ele salvou a pobre princesa que era mantida presa por ogros. O mesmo homem que mataria um político por causa de uma obsessão antiga e provavelmente seria morto na tentativa, que seria considerado um maníaco degenerado e que teria o nome caído em desgraça, acaba sendo louvado.

Existe uma linha tênue que mantém Travis Bickle decente aos olhos da sociedade.

Compartilhe nas suas redes sociais

Bruno

Bruno Nascimento

Estudante de Publicidade e Propaganda; Redator e Fotógrafo em Dose Extra Multimídia; Escritor, Podcaster e Gladiador Dourado em Dose Extra Blog.

Mais publicações do autor…
Você pode gostar: